sábado, 11 de setembro de 2010

Esta gente inspira-me!

Aconteceu assim, não necessariamente por esta ordem:

Fui buscar o meu bilhete
Para ir ter a Lisboa.
No Porto puxam-me o tapete
Fiquei completamente à toa.

Mas eu não vou fraquejar
Apesar do caos instalado.
Vou à Pipoka telefonar,
Porque o comboio está parado.

Nem queria acreditar
As linhas estavam cortadas!
Quem mandou descarrilar
as carruagens carregadas?

Devolver o dinheiro?
Isso não, caro senhor!
Ficou vazio o mealheiro
Ai que me está a dar uma dor!

Troquei viagem para amanhã
Terei que me levantar de madrugada.
O que tem que ser, será!
Fui para casa meia amuada.

Meio a dormir, meio acordada
No Sábado ganhei coragem!
À lancheira agarrada
Entrei e segui viagem.

Chegada a Oriente
Já meio desorientada.
Vou buscar o meu pente,
Qué da Helena, tá atrasada?

Lá parei no passeio
Esperei que me fossem buscar.
Ali sozinha no meio
Vejo um gajo a acenar.

Dentro de um carrão
Bem disposto e sorridente,
O homem acenava com a mão
Mas eu só queria o pente!

De certeza que não era pra mim,
Seria para uma gaja mais boa.
Disfarcei, olhei pró lado, enfim!
A Helena topou que eu fiquei à toa.

Afinal, era o marido
Dentro do carro estacionado.
Deixei de lado o ar sofrido
Seguimos, sem GPS ligado.

O pic-pic era em Monsanto
No meio da natureza,
Arranjamo-nos num canto
Pra curtir toda a beleza.

Aceitei ir até Monsanto
Se houvesse um W.C.
Não faço xixi em qualquer canto,
Sou chic, querem que faça o quê?

Começaram a chegar
As miúdas do Algarve.
Toca a tralha a carregar,
Vamos lá que se faz tarde!

Alguém teve a brilhante ideia
De trazer do Ikea um carrinho
Carregou-se a geleira,
Fez cá um jeitinho!

Depois o confronto esperado
Pipoka versus Ameixinha.
Eu de cabelo despenteado
E ela tão penteadinha!

Redimida de tamanha maldade,
Sacou de um presente pra mim.
Abri o saco com ansiedade
Era lindo! À guerra pusemos fim!

Mas não me devolveu o pente,
Enfiou-o outra vez na mala.
Que se lixe, vamos dar ao dente
Mais tarde, a gente já fala!

Reunidas as gajas boas
E respectivos porta-chaves,
Fez-se um convívio de pessoas
Que já tinham saudades.

Da Helena e Pipoka já falei
A Margarida e Ana também estavam
A Moira lá encontrei
Mas Laranjinha e respectivo não chegavam.

Estavam perdidos, afinal
Foram ter a outro lugar.
Não há crise, não tem mal
Vamos mas é morfar!

A Suzana também estava a chegar,
Era a única que eu não conhecia.
Sacaram das minis para desopilar
Quem não bebia, comia!

A Carlota sempre atrasada,
Conseguiu chegar a tempo.
Vinha bem carregada
Com comida para um regimento

Faltou-nos a Gasparzinha
Que não conseguiu comparecer.
Mas 'tás cá dentro menina
O próximo encontro não vais perder.

Os petiscos não paravam de sair
Era comida até dar com um pau.
Isto é que foi curtir,
O pic-nic não estava nada mau!

Eis que aparece no horizonte,
Um maravilhoso bichinho.
Não, não era um bisonte
Mas um pequeno esquilinho.

Veio ver de perto
Aquele aroma que sentia.
Tanta comida não é correcto
E o esquilo comer não podia!

Depois de provar todas as maravilhas
Hora de levantar arraial.
Já tinham começado as cantigas
Do Tony, Quim e outros que tal.

Deixamos tudo limpinho
Como manda a boa educação.
Pipoka, passa pra cá o pentinho
Que eu dou-te um em 1ª mão!

O dia passou tão depressa
Mesmo eu estando apagada.
Mas Ameixa, vá lá confessa!
Valeu a pena levantar de madrugada.

Beijinhos, despedidas e sorrisos
Boas férias e até já
Vamos arranjar mais motivos
Para em breve voltar lá.

Lá fui eu com a Tangerina
As setas azuis seguimos.
Contornamos a esquina
Chegamos a casa, conseguimos!

À espera, já ansiosos
Tom e Muffin, os gatinhos
Lindos bichos, meus manhosos
Hoje não dormem sozinhos.

Combinamos mais tarde
Em Lisboa um cafézinho.
Estava um caos na cidade
Pra estacionar foi um corridinho.

Mas que grande ventania
Na esplanada não se está bem
O pessoal já tremia
Vamos ao Solar que está além.

O empregado ditador
Não deixou desarrumar os cadeirões
O ambiente era acolhedor
Escolheram vinho, contaram tostões.

Os cálices eram grandinhos
Será que era o preço que dizia?
Agora bebam lá os copinhos
Pra terminar bem este dia.

Deu-se uma certa constipação
A uma Tangerina Aderente
Eu estava de lenços à mão
Tratei da alma gémea doente.

Chegadas a casa finalmente!
Hora de abrir a cama pra dormir.
Estou tão feliz, já tenho pente,
Até adormeci a sorrir.

O dia seguinte prometia
Novo encontro com outras meninas
Mas isso fica pra outro dia
Vou descansar os neurónios e as vistinhas.


Alguns dos petiscos que provamos encontram-se nos seguintes links:

Bom fim de semana a todos :)

45 comentários:

Marly disse...

Ameixita,

O pic-nic parece ter sido maravilhoso!
Agora estou apressada, mas ei de ir ver as comidas em cada um dos links, rsrs.

Um beijo, bom dia e bom domingo!

conceicao disse...

Isso foi um dia em grande.
Bjs

Luna disse...

Ahahahah, que belo poema, amiga! Temos poeta, sim senhora :D E que belo piquenique :) beijinhos e bom fs

Gina disse...

Ameixa,
Sempre leio seus poemas com um sorriso nos lábios! Fico imaginando tudo que se passou, pela seua descrição detalhada.
Ah, o pente sempre presente nas histórias...
Agora vou ler os outros relatos.
Ando sentindo falta dos encontros de blogueiras por aqui e ler o de vocês me fez lembrar dos nossos.
Bjs.

Kristininha disse...

Ameixinha sim senhora...bela história aqui nos contas e de uma forma sempre muito original!
Parabens!!
Beijinhos

*-._.-* Anita *-._.-* disse...

Opa! além de excelente cozinheira...poeta...kkkkkkkkkkkkk

bjsssssssssss

isabel disse...

Querida Ameizinha,
Adorei ler a narração deste dia magnífico que tu tão bem descreveste em versos! Parabéns!
Desejo-te um excelente fim-de-semana e muitos dias felizes como esse!
beijinho.

Fabiana disse...

Ameixa,
Linda descrição do encontro com as amigas blogueiras!!!
Parabéns por mais esse talento,
agora vou lá espiar as guloseimas..kkkk
beijos

Eu Mulher disse...

Uauu!!

Essa parte aqui foi ótima, kkkk


" Dentro de um carrão
Bem disposto e sorridente,
O homem acenava com a mão
Mas eu só queria o pente!

De certeza que não era pra mim,
Seria para uma gaja mais boa.
Disfarcei, olhei pró lado, enfim!
A Helena topou que eu fiquei à toa."

Beijão para você.

Helena disse...

Ameixinha querida
Por esta não esperava!
Ontem à noite estava eu em casa da Gisela no alentejo e venho aqui curiosa pelo titulo.
Foi um fartote de rir com o "homem a acenar" a ler também.
Sem dúvida que imortalizaste a história deste piquenique!
Beijinhos e até breve!

Rachel disse...

Ameixinha...como gosto de ler seus poemas...até consigo visualizar a cena, tão explicadinho está.
Com certeza foi um encontro de marcar, vou esperar pela outra narração!
Bjuss!!!

Drika disse...

Acho ótima essa sua forma contar os fatos através de poema! Beijos!

Bombom disse...

Isso não foi um pic-nic, foi um banquete! Maravilha! Apesar dos infortúnios, valeu a pena, Ameixinha!
E até podemos dizer que a tua vida é Um Poema! Um abraço da Bombom

ameixa seca disse...

Minhas queridas, muito obrigada. É sempre um prazer agradar, mesmo que seja "desbocando-me" assim :)
Helena, parece que só tu estás viva este fim de semana. Diz ao Minhoto que peço desculpa por metê-lo nesta alhada mas, quem acena a alguém como eu, tem que aguentar as consequências ;)

Flavinha disse...

Ameixinha, que poema delicioso!

O encontro certamente foi uma delícia! Pelo pic nic e principalmente pelas pessoas!

Beijinhos

Sandra G disse...

Ameixinha, o que me ri contigo!!
Esta descrição está demais.Estou a imaginar o homem a acenar e tu a olhares para o lado.eh!eh!

Maggie disse...

A tua veia poética é deliciosa... não consegui parar.
Bjs e boa semana.

pipoka disse...

Minha querida Ameixa,

Nesta segunda-feira de manhã, falta-me a veia poética, mas conseguiste arrancar-me umas boas gargalhadas.
Com o meu pente novo, ando tão, mas tão penteadinha que não me canso de olhar para o espelho!

beijocas

Moira disse...

Ameixinha,
Já não esperava por esta fantástica descrição, os versos estão muito giros como sempre.
Curiosamente ontem estive a organizar e a fazer back-up da pasta das fotos.

Fátima disse...

Ameixinha, adorei ler esse verdadeiro presente. Muito bom!

Mary disse...

Acabamos sempre por viajar nas tuas palavras...beijinho****

Noémia disse...

Ai que "inbeija"!:)
Deve ter sido bem bom esse encontro para te ter deixado tão inspirada!
Fico à espera do resto da aventura.

ameixa seca disse...

Obrigada a todas! O relato do outro dia ainda está por começar. Ainda vai demorar :)

»¤Þ䵣䤫 disse...

Que delicia de picnic, apesar de todas as confusões, vc sem seu pente, preocupação com banheiro, a companhia de tantas pessoas queridas compensaram tudo né! Passeio demais! Beijos Ameixinha!

Helena disse...

Ameixa
Chamaste minhoto ao Miguel, um tripeiro da freguesia de Bitória , da cidade Inbicta , adepto do FêCêPê e nascido à beira do Douro!
Acho melhor não lhe contar.....
Beijo

ameixa seca disse...

Paula, obrigada :)
Helena, conta-lhe que assim ele nem me acena para a próxima he he O problema é eu viver muito perto do Porto... acho que é tudo Minho :) Aposto que se ele souber que sou do FêCêPê fico automaticamente perdoada :)

Jana!!! disse...

Belo poema...adorei..

bjim
Jana
http://janainamechi.blogspot.com/

Tangerina disse...

Querida Ameixinha, Eu que perco a esperança com alguma dificuldade, tenho que confessar que por esta já não esperava :))) Chorei a rir como sempre e é bom recordar um dia tão divertido, mas o melhor é que parece que em em breve haverá mais :)))

Beijinhos Grandes,
Carlota

Mundo de Alice disse...

Ameixinha
adoro tua prosa e tua poesia!!!
bj

Turmalina disse...

E quantos motivos para inspirar-se!!!
Bjos

M. disse...

Ai que espectáculo!!!
Bjsss,
Madalena

cacahuete disse...

Que fartote de rir, esta demais.

Beijinhos

ameixa seca disse...

Jana, Alice, Turmalina, M., Cacahuete, obrigada :)
Tangerina, a esperança nunca, em tempo algum, se deve perder. A Ameixa pode estar adormecida mas não está morta :)

Su7i disse...

Olá! Se esta foi a viagem de Julho tenho muita pena de não ter lá estado, mas as férias no Algarve já estavam marcadas! Manda um mail quando voltares a Lisboa! Beijinhos e parabéns pelo poema!

Margarida disse...

Tu não me digas que fizeste parte daquele bando de bloggers (que são sempre os mesmos!) que abancou num parque da capital, de farnel às costas..
Fartei-me de rir e bem recordei aquele dia fantástico. Que venha o próximo "acampamento" dos "tais" bloggers para me rir mais um pouco.
beijocas

Suzana disse...

Belo presente, minha querida Ameixa! O que eu me ri e o fantástico que foi reviver aquele dia com aquelas aventuras e todas as comezainas à mistura. Claro que a melhor parte foi a do pente e do Miguel a acenar e tu nada. Mulher séria é assim! ;))))

Bj enorme*

Naninha disse...

Amiga tu vai acabar lançando um livrde poemas, escreve o que estou te falando!
Beijos

ameixa seca disse...

Suzi, este não foi o convívio, desse ainda falta o relato :) Vou a Lisboa em breve mas não sei se vai dar para marcar encontros.
Margarida, sempre os mesmo não, até conheci montes de gente nova :) Olha que inveja é muito feia!
Suzana, mulher do Norte dá-se ao respeito ;)
Naninha, ha ha... quem me dera :) Obrigada!

Laranjinha disse...

Espectacular como sempre, srª Ameixinha!
Um beijinho grande

Liège disse...

Dia maravilhoso e belos versos!
Gostei de seu espaço, de suas histórias e receitas.
Beijos.

ameixa seca disse...

Laranjinha, Liège, obrigada :)

Raspas de Laranja disse...

Sempre a mesma. :)

ameixa seca disse...

Zé, faz-se os possíveis :)

Cenourit@ disse...

Genial como sempre :)
Vou ficar à espera do resto, né???

Beijocas***

ameixa seca disse...

Cenourita, já está feito... só falta publicar :)