segunda-feira, 6 de junho de 2011

Andorinhas à solta na Invicta


Combinaram as seis andorinhas,
Na Invicta se encontrar.
Estávamos todas mortinhas
Para no Porto passear.

Desta parte quase ninguém sabe,
Mas eu cheguei mais cedinho.
Não tinha muita vontade,
Mas com a Zé comprei um casaquinho.

Na Calzedonia, a menina
Queixava-se do calor.
Eu disse que tinha peninha,
Mas a chuva ia cair sem pudor.

"Não me diga isso!", lá replicou,
"O calor veio pra ficar".
Mas mal a tarde começou,
O céu resolveu pingar.

Contudo, a chuva não nos demoveu
De um encontro na Invicta,
, Conceição, Moira e eu.
Depois a Mónica e a Filipa.

A Zé e eu fomos buscar a Conceição
Assim se formava o grupinho.
Lá saímos da estação,
E aceleramos o passinho.

Subimos a rua contentes
Com muita vontade de tagarelar.
Tanto calor, somos valentes!
Fomos à Batalha a Moira encontrar.

E agora escolher o que comer,
Que a viagem foi comprida.
Na esplanada, não queriam crer,
Estava uma figura reconhecida.

Não conheço o homem, não sei!
"Entra numa novela conhecida".
Eu bem que pra ele olhei,
Mas a rtp2 é a minha vida.

Pera lá, esse não me diz nada,
Mas o que está ao lado dele sentado
A ler o jornal na esplanada
Conheço eu de algum lado.

É da tv com toda a certeza!
Zapping também sei fazer.
Ó tu, jeitoso, ó beleza!
Não queres vir cá ter?

Vocês podem ser famosos,
Ter o público todo à espera.
Mas são muito mais manhosos
Que nós, gajas da blogosfera!

Saquei dos copos e da garrafa.
Quem alinha num Limoncello?
Vá lá, levantem a taça!
Não é xixi, apesar de ser amarelo.

Pedido o folhado de Chaves
Eis que chega a Filipa.
Conta lá tudo, o que fazes?
Deixamos a rapariga aflita.

Conversa puxou conversa
O Limoncello subia.
Faltava-nos a última peça,
A Mónica, que não aparecia.

De repente, chamada desconhecida.
Não atendo, que não sei quem é!
Era a Mónica perdida,
Liguei e perguntei: "Comé que é?"

Tocou-nos no coração,
Ouvir uma senhora dizer
Que a nossa boa disposição
Era uma alegria de se ver.

Depois de dar à treta,
Começamos o passeio.
Lá foi uma Ameixa Seca
Com gajas boas pelo meio.

Encontramos uma feirinha
Cheia de produtos artesanais.
Mesmo no meio de uma ruínha
Entre sapos, malas e tanta coisa mais.

Lá nos apressamos
Porque começou a pingar.
N'A Vida Portuguesa entramos
Para tudo coscuvilhar.

Não faltavam obras-primas
Do Bordallo à Regina
Farinha 33, muitas caixinhas
Pura arte, loja fina.

Prosseguimos em diante
Para visitar a Lello e Irmão.
Tanto livro, tanta estante!
Muita gente, grande confusão.

Quem o escadario descia
E olhava para os lados,
Um cemitério parecia
De livros repousados.

A rua tivemos de descer
Para subir ao Magestic.
Um café fomos absorver,
Rodeadas de gente chic.

Pastéis e ovos moles fresquinhos
Em cima da mesa a acompanhar.
De repente começam os sininhos
As 18 horas a anunciar.

Corre minha Moira encantada,
Pra esse momento não perder.
S. João e mais uma cambada
De caxecol, pelo FêCêPê vencer.

De volta ao café, a vontade não calava.
Hora da fotografia tirar
Um casal ao lado admirava
O grupo a espalhafatar.

Simpática, a senhora tirou
A nossa foto pra recordação.
Eis que o flash saltou
Surgiu risota até mais não.

Tivemos que nos despachar
A Mónica tinha que ir
Fomos a feira do livro atravessar
E a chuva, teimosa, a cair.

De écharpe, protegi-me bem
Para os longos cabelos proteger.
"Pareces uma muçulmana" disse alguém
E o malvado livro sem aparecer.

Um até breve à Filipa,
Se ela quiser novamente nos ver.
Porque dar-se com gente esquisita,
Não é pra todos, podem crer!

Seguimos com a Mónica pra S. Bento
O comboio já a esperava.
A porta não abre, que tormento!
É de carregar no botão, sua desorientada.

Em S. Bento permanecemos
E faltava a Bola de Berlim.
Vou perguntar ali ao homem, já vemos
Mas ele mentiu com os dentes todos, enfim!

Respondeu que já não tinha os dentes todos
Disse-lhe a Moira, com a inteligência dela
Que foi de comer todos os bolos
Mas ele replicou que preferia vitela.

A Zé também se despediu
Até um próximo encontro.
Ao ir embora sorriu
Apanhou o metro, marcou o ponto.

Subimos a rua outra vez
Em busca da bola perdida.
Ali não há, aqui talvez?
Mas não, Berlim andava fugida.

Levas um pastel, deixa lá
E um ovo mole docinho.
Mas olha aqui, anda cá!
Uma bola, neste cantinho.

Com estas e com outras
É hora de nos despachar.
Não fomos muitas, nem poucas,
Mas foi uma tarde espectacular.

Deixamos a Moira na paragem
E tratamos de embarcar.
Fizemos todas boa viagem,
Bela maneira do dia terminar!

Pela minha parte agradeço
Toda a vossa gentileza.
A verdade é que não me esqueço
Deste encontro, de certeza!

------

E a Lisboa alguém quer ir?
Não prometo assim rimar.
Mas não vos vou mentir,
Gostava de alguém lá encontrar.


Continuação de boa semana!

Fotos gentilmente cedidas pelo electrodoméstico da Moira :)

46 comentários:

saborcomletras disse...

Palavras cadenciadas... de forma bonita. Abraços, Adriana.

Raspas de Laranja disse...

Tu estás na profissão errada, devias escrever guiões. Relembrei cada passo. Está bué de giro. Bjs

Moira disse...

Esta andorinha mourisca
À Invicta foi a voar
Numa viagem imprevista
Outras andorinhas encontrar

O encontro foi perfeito
A conversa um fartote
mas afinal o que é feito
Da receita do xarope?

Vê lá se te despachas
aquele está-se a acabar
Já sabes que sou lamechas
não me vais querer aturar

Por agora tenho limões
Mas depressa vão acabar
Não me faças largar tostões
P'ra Limoncello comprar

O teu ficou perfeito
apesar de amarelado
Tão bom que aquece o peito
mesmo quando está gelado

Agora Ameixinha querida
com estes versos me vou
não te esqueças da bebida
que à Moira tanto agradou

Marly disse...

Ameixinha,

Finalmente fiquei a saber o que rolou no tal encontro! rsrs. E a impressão que tenho é que vocês se divertem à valer nessas ocasiões, pois eu mesma me ri das situações apresentadas, rsrs.

Um beijo e continuação de boa semana!

conceicao disse...

Até parece que estou outra vez lá, recordas-te de tudo :))
Adorei.
Bjs

Simples Assim disse...

Parabéns,
Rimas perfeitas.
Bj,
Lylia

Gina disse...

É sempre um prazer seguir suas rimas, imaginando o que aconteceu.
O fato é que esses encontros sempre dão "panos para mangas" e rimas e risos.
Boa semana!

Filipa disse...

Soube bem recordar cada pedaço dessa tarde bem passada na companhia de gajas da blogosfera!!! Um beijinho e até breve!

"Manjares da Manu" disse...

Que lindo!!!

Bjs...Boa semana!!!

Sérgio Gomes disse...

Acabei de descobrir este blog e estou a gostar muito, tanto que até já sou seguidor para não perder nenhuma novidades.

Se quiseres visita o meu:

http://www.enfermeiro-na-cozinha.blogspot.com.

Bjs.

Suzana disse...

Ameixa Maria,

Gosto muito de andorinhas! Eu sou mulher para dizer que assim com tanto verso quase (mas só quase) imagino o que se passou por lá. ;)

E já agora venha a receita do xarope amarelo que também estou curiosa!

beijo repenicado*

ameixa seca disse...

Adriana, Lylia, Manu, obrigada :)
Zé, pior que estar na profissão errada é estar em profissão nenhuma he he
Moira, melhor que tu e que eu... só eu e tu ;) Veio uma andorinha de longe mas valeu a pena. A receita vem a seguir!
Marly, só posso falar por mim e dizer que me divirto mesmo muito :)
Conceição, a Alzheimer não está assim tão avançada :)
Gina, fora as coisas que aconteceram e nem entraram nas rimas :)
Filipa, gajas da blogosfera esquisitas ;)
Sérgio, obrigada pela visita e pelo comentário :)
Suzana, um bando de andorinhas possuídas à solta. Só faltou uma gaja que entornasse o xarope, como só tu sabes entornar he he Beijos!

Marta Benicá disse...

Lindo post! Obrigada por me visitar também. Já te sigo. Tenha uma boa semana. Um abraço, Marta Benicá.

Alcina disse...

Mas que veia poética, devias-te dedicar á escrita em vez dos tachos, não que com estes faças má figura também hehe

Saltapocinhas disse...

és uma poetisa, mulher!
quando eu precisar de umas quadras, já sei onde as encomendar!

Pracinha do tempo disse...

Ameixa Maria, adorei o teu relato.

Afinal a tua alzheimer ainda está em fase inicial. hahaha

Fizeste uma descrição que me fez reviver cada minuto que passei convosco.
Consegui percorrer novamente os locais relembrar a amálgama de emoções que senti, primeiro receio, depois nervoso e por fim nem sei bem como descrever, mas acho que é como quando se recebe um brinquedo novo e não sabemos bem por onde começar a explorar.

Para uma 1ª experiência foi fantástico, espero ter o prazer de repetir...

Foram a companhia perfeita para uma tarde fantástica.
BJS

gasparzinha disse...

Andorinha voadora, esta Ameixinha é uma g'anda escritora! :)
Bjs

Sandra G disse...

Eu fiquei triste
Na cidade de Lisboa
Já vi que perdi
Muita coisa boa

Voa andorinha
Até à capital
Trás na tua asa
A bebida divinal

:) :)
Beijinhos gandes

M. disse...

Oh que pena :((( Pensei que o encontro ainda fosse para mais tarde... paciência!
Ainda bem que se divertiram!
Beijinhos,
Madalena

Rachel disse...

Hehehehe, já andava com saudade de seus versos...viajei nesse encontro, deve ter sido muito boa a tarde entre amigas!
Boa semana para ti!
Bjuss!!!

familia antunes disse...

Obrigado por partilhares esse dia tão especial... ;)
Cada momento... foi descrito como só tu o sabes fazer...
Que venham mais pois por cá adoramos as tuas rimas...
Beijinhos nossos...

Cucchiaio pieno disse...

Querida Ameixinha
Você escreve muito bem, parabéns, gostei muito!
Deve ter sido um belo encontro.
Um abraço
Léia

ameixa seca disse...

Marta, Rachel, Léia, obrigada :)
Alcina, ai ai, já estava a ver o que ias dizer ;)
Saltapocinhas, quem me dera sê-lo, obrigada :)
Mónica, tenho um bloco de notas onde vou anotando tudo mal chego a casa. Quando vou pra longe, levo-o comigo ;)
Gasparzinha, sou um despertador... as rimas andam a despertar na ponta dos vossos dedos ;)
Sandra G, o relato de Lisboa está por tua conta ;)
M., eu disse que era breve, o e-mail está sempre disponível para saberem os pormenores do dia e hora :)
Familia Antunes, prá próxima tens que aparecer :)

anasbageri disse...

Olha que ternura de post, que vontade de tb vos poder conhecer.
Imagino-vos a caras, as gargalhadas, os saquinhos de compras, os trocares de olhares cumplices, a alegria de rever amigas.
Que dia fantástico!

Um abraço e até breve.

ameixa seca disse...

Anasbageri, que o até breve seja já daqui a pouco tempo ;)

Noémia disse...

Olha lá o que eu perdi!
A vantagem é que, pelo relato, até foi bom ter ficado em casa. Com tanto "voo" pela cidade, sobe e desce, entra e sai, fiquei cansada só de ler, imagina para vos acompanhar!
Obrigada por contares tudo, foi como se tivesse lá estado.:)

cacahuete disse...

Parece ter sido um encontro à maneira. Só é pena eu não puder ir nem ao Porto nem a Lisboa. Mas algum dia hei-de ir.

Beijinhos

Isabel disse...

Rimas giríssimas e divertidas, como sempre!
Pela descrição dá para ver que foram momentos bem passados :)
Bjs

Lourdes Sabioni disse...

Ameixinha, porque tu não procuras uma editora, já és poeta de nascença!
Estive com problemas para comentar no blogger, me perdoa...
Beijos!

ameixa seca disse...

Noémia, contigo teria sido ainda melhor :)
Cacahuete, hás-de poder um dia :)
Isabel, obrigada :)
Lourdes, acho que não teria qualquer tipo de sucesso ;)

Caderninho de Receitas disse...

Ameixinha S. António e os outros Santos Populares ainda não te encontraram se não emprego nas quadras tinhas tu de certeza =)
Beijinhos grandes

Cláudia M. disse...

Gostei de acompanhar as aventuras das 6 andorinhas pelas ruas e lojas da Invicta. É só rir! Fiquei com inveja do limoncello e dos ovos moles!!
Ah, e o electrodoméstico da Moira tirou umas fotos impecábeis. :)
bjs

ameixa seca disse...

Carolina, santos do pau oco não fazem parte da minha "freguesia", prefiro não ter salário mas encontrar-me com gente gira ;)
Cláudia M., nunca dá pra fazer passeios assim por Lisboa... a capital do império é enorme :) O electrodoméstico da Moira deve ter sido feito aqui no Norte he he

Sylvia disse...

Adorei o passeio/ encontro escrito em prosa e verso. Você não deixa de me surpreender. Aguardo mais. Beijos

Maura disse...

Lindas rimas e imagem!
Estou realizando uma pesquisa e tb tem sorteio lá no Coisas!
Um abç,
Maura

Bombom disse...

Olá Ameixinha! Que belo passeio aí pelo Porto, mesmo borrifado pela chuva miudinha. E que "Troupe", de 5 estrelas! Faço ideia do alarido, he,he! Com o meu "déficit auditivo", já não me posso dar ao luxo de vos acompanhar, mas divirto-me imenso passeando convosco através dos teus poemas. Parabéns pela iniciativa, pelas rimas, pela alegria e boa disposição e pela camaradagem. Bjs. Bombom

ameixa seca disse...

Sylvia, obrigada :)
Maura, bem vinda :)
Bombom, neste caso o teu déficit seria uma mais valia, não ouvirias as coisas manhosas que dissemos he he

argas disse...

Que belo passeio, como sempre sabe bem ler-te :)

Tuquinha disse...

Pelos verso que foi um encontro delicioso sim????????
Fico feliz por vós....
Beijinhos

Karla Maria disse...

Ameixinha,
quem mais gostou do seu post com rimas lindas foi o meu Bernardo. "Mãe, essa sua amiga deve ser muito legal"
Bjs

Nani disse...

Como sempre superaste-te, bjs.

ameixa seca disse...

Argas, sabe bem saber quem me lê :)
Tuquinha, um espectáculo :)
Karla Maria, que bom, fico tão feliz de saber que o Bernardo gostou. Tens que lhe ler os outros que eu tenho no blog e o que foi dedicado ao meu gato, que tenho no blog Só Possuídos :)
Nani, obrigada :)

Salsa Verde disse...

És uma poeta, disso não restam dúvidas!!

Beijinhos,
Lia.

ameixa seca disse...

Lia, quem me dera :) Obrigada!

Cenourit@ disse...

Ah poetisa!
Pela descrição até parece que estive lá :)
Imagino a diversão!

ameixa seca disse...

Cenourita, tens que vir outra vez :)